Comissão da Mulher do Judiciário discutirá aumento da criminalidade contra mulher em Sorriso

Ivan Oliveira em 11/07/2019 às 14:14. Lida 557 vezes.


A coordenadora da Cemulher, desembargadora Maria Erotides, participa amanhã, sexta-feira (12 de julho), às 14h, no Fórum da Comarca de Sorriso, de reunião ampliada para discutir mecanismos que possam inibir, e até interromper, a propagação da violência na cidade. O Juiz que atua na 2º Vara Criminal em Sorriso, esteve na bancada do programa A Voz do Povo para convidar a população para o evento, aberto para comunidade. às 16h.

De acordo com a desembargadora, são exatamente os registros de violência dos últimos dias que causam preocupação a gestão municipal. “A primeira-dama me procurou e, com a anuência do desembargador Carlos Alberto Alves da Rocha (presidente do TJ), vamos ao município fazer essa discussão e encaminhamentos”, reforça Maria Erotides, anunciando que a primeira providência será estabelecer o protocolo de intenções da Rede de Frente - Rede de Enfrentamento à Violência Doméstica e Familiar Contra a Mulher.

“A efetividade desse protocolo depende de parcerias, e, por isso, como sempre, contamos como o Ministério Público, Defensoria Pública, Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) - Subseção de Sorriso e o Poder Judiciário, por meio do juiz Anderson Candiotto, da 2ª Vara Criminal da Comarca de Sorriso”, assinala a coordenadora do Cemulher.

“Nossa expectativa com essa reunião é grande. Queremos dar um basta nessa conjuntura, que deixa nossa população intranquila”, assegura Jucélia Ferro, acrescentando que as instituições podem contar com o apoio e participação da administração municipal. Ela acredita que as decisões tomadas na reunião farão a diferença. “Nossas mulheres, especialmente, precisam de mais apoio e ajuda”, destaca Jucélia, sugerindo, entre várias ações, a instalação no município da Patrulha Maria da Penha, desenvolvida pela Polícia Militar.

Ela lembra que só entre junho e julho foram registrados quatro casos envolvendo mulheres, sendo que dois deles já foram tipificados como feminicídio. Nesses dois crimes, com grande repercussão, os agressores eram do próprio convívio dessas mulheres.

A secretária de Assistência Social e primeira-dama de Sorriso assegura que a participação do Poder Judiciário, como também de todas as instituições que formam o sistema judicial, fortalece a luta contra a criminalidade. “Nosso município é um dos que mais cresce proporcionalmente no país, entre sete e oito por cento ao ano, e não podemos deixar os crimes, principalmente contra mulheres, marquem nossa história”, pontua a gestora municipal.

Atualmente, Sorriso, identificada e considerada pela própria população como a ‘capital do agronegócio de Mato Grosso’, tem 100 mil habitantes, nas zonas urbana e rural. Só na cultura de soja a produção anual bate record e ultrapassa a casa dos dois milhões de toneladas.

Enquete


Você é contra ou a favor de eleições para diretores e coordenadores de escolas públicas municipais?
Parciais