Sorriso FM 99,1

10/06/2019 12:28
Lida 298 vezes.

Fernando Luiz - Depto Jornalismo com DC

A Polícia Civil concluiu o inquérito da Operação Mantus, nesta sexta-feira (7), com o indiciamento de 33 pessoas por envolvimento com o esquema de jogo do bicho em Mato Grosso. Todos foram indiciados pelos crimes de organização criminosa, extorsão, extorsão mediante sequestro, lavagem de dinheiro e contravenção penal do jogo do bicho. Eles são apontados como integrantes de duas organizações criminosas, identificadas pela Polícia como "Colibri" e "FMC Ello".

De acordo com as investigações, em pouco mais de 1 ano, os dois grupos criminosos - que disputavam território em Mato Grosso - movimentaram mais de R$ 20 milhões em contas bancárias.

Como líderes da organização Colibri, a polícia aponta o bicheiro João Arcanjo Ribeiro e o genro dele, Giovanni Zem Rodrigues - ambos detidos na Penitenciária Central do Estado. Já a FMC Ello é chefiada por Frederico Muller Coutinho, segundo as investigações. Este último encontra-se preso no Centro de Custódia da Capital.

As investigações foram comandadas pela Delegacia Especializada de Fazenda e Crimes Contra a Administração Pública (Defaz) e da Gerência de Combate ao Crime Organizado (GCCO).

As investigações iniciaram em agosto de 2017, com denúncia de um colaborador, indicando a existência do domínio do jogo do bicho por parte de Frederico Muller Coutinho. Mas durante a apuração constatou-se que havia mais de uma organização, e que está se mantinha sob a liderança do ex-comendador e seu genro.

“A desarticulação dessas organizações representa a contenção de um acirramento que já estava acontecendo com sequestro e extorsões, relacionado ao jogo do bicho, que não para. A parte da lavagem de capitais foi mais complicada, pois necessita identificar de onde vem o recurso e sua destinação”, relatou Damasceno.

O delegado titular do GCCO, Flávio Henrique Stringueta, asseverou que mesmo que o inquérito seja concluído as investigações irão continuar. “As investigações continuarão para tentar encontrar mais bens e atacar a parte econômica das organizações criminosas”, disse.

INTERROGATÓRIO - João Arcanjo Ribeiro foi interrogado na quinta-feira (6), na sede da Gerência de Combate ao Crime Organizado (GCCO). Sob forte esquema de segurança ele foi retirado do Raio 5 da Penitenciária Central do Estado (PCE) até a GCCO, onde por mais de três horas foi questionado sobre diversos pontos da investigação.

Quando preso, na operação, o bicheiro teve apreendido em sua casa R$ 201 mil, dinheiro que alegou estar declarado em seu imposto de renda e ser mantido no imóvel para despesas diárias.

Durante seu interrogatório, Arcanjo negou todos os questionamentos que lhe imputariam alguma responsabilidade criminal, como documentos apreendidos que o vinculam ao jogo do bicho.

Esses documentos referem-se a uma grande apreensão ocorrida em 12 de julho de 2018, pela GCCO, no bairro Jardim Campos Elíseos, em Cuiabá. Foram 12 máquinas eletrônicas de apostas apreendidas, várias bobinas, tabelas do jogo do bicho, e outros materiais de aposta. Na ocasião duas pessoas foram detidas.

O delegado responsável pelas investigações, Luiz Henrique Damasceno, lembrou também que nessa ocasião foi encontrado na minicentral um documento de arrecadação (Darf) da fazenda São João, de propriedade da João Arcanjo Ribeiro.

“Demonstrando desde então vínculo do funcionário Marcelo Honorato com Arcanjo e Giovanni Zem. Também foram descobertos remessas de dinheiro para o Uruguai, cerca de R$ 500 mil nos últimos 5 anos. O problema é um bicheiro mandado dinheiro para fora do país, destinado a pessoas ligadas a Arcanjo”, destacou.

Na investigação também consta foto de um recibo de R$ 20 mil entregue por um bicheiro a outro, no estacionamento onde João Arcanjo Ribeiro trabalha, o Estacione Parking, na Avenida Rubens de Mendonça (CPA), em Cuiabá.

No dia e horário, o monitoramento eletrônico da tornozeleira de João Arcanjo aponta que ele estava no estacionamento, que é de sua propriedade, além da extração de conversa via aplicativo WhatsApp, autorizadas pela Justiça.

Outro ponto considerado na investigação é o fato de João Arcanjo dividir a mesma secretária da empresa Granito, considerado pela Polícia Civil como o estabelecimento comercial que mais “lavou” dinheiro.

O estacionamento e a empresa são considerados o “QG” da Colibri e lá foram encontrado planilhas de contabilidade, que podem ser da jogatina, sendo semelhantes a localizada no quarto de Giovanni Zem durante as buscas realizadas na operação.

Esta última é igual a outra planilha apreendida com o gerente do jogo do bicho na região Norte de Mato Grosso, Mariano Oliveira, que ainda teve diversos produtos do jogo, como máquinas eletrônicas, cadernos dos sonhos, e outros localizados em sua posse.

Giovanni Zem, quando ouvido, permaneceu em silêncio, assim como Frederico Muller Coutinho. Mas segundo a Polícia Civil, membros do grupo de Muller acabaram confirmando fatos descobertos ao logo de quase 2 anos de investigações, que estão nos relatórios policiais.

Veja também


Enquete
Qual sua opinião sobre as mudanças do trânsito nas perimetrais em anexo à BR 163?
  • Parcial