Sorriso FM 99,1

04/06/2019 14:19
Lida 617 vezes.

G1/MT

O Ministério da Agriculturainformou nesta segunda-feira (3) que suspendeu as exportações de carne bovina para a Chinaporque um animal no Mato Grosso contraiu encefalopatia espongiforme bovina (EEB), a chamada doença da "vaca louca".

De acordo com o ministério, a suspensão das exportações atende a um acordo sanitário entre Brasil e China e é temporária e "protocolar". A pasta informou que a medida é "automática" e está prevista no documento assinado em 2015 com a China, que prevê a suspensão quando houver algum risco após a detecção de alguma doença. Segundo o ministério, não há risco sanitário no Brasil (leia nota oficial do Ministério da Agricultura ao final desta reportagem).

A doença foi detectada em uma vaca de 17 anos, já abatida. Todo o material "de risco específico para a doença", informou o Ministério da Agricultura, foi removido durante o abate e incinerado.

"Outros produtos derivados do animal foram identificados, localizados e apreendidos preventivamente, não havendo ingresso de nenhum produto na cadeia alimentar humana ou de ruminantes. Não há, portanto, risco para a população", informou.

De acordo com a pasta, mesmo com o caso registrado em Mato Grosso, a classificação de risco para a doença não será alterada e continuará como "insignificante" no país.

No começo de maio, uma comitiva brasileira, chefiada pela ministra da Agricultura, Tereza Cristina, visitou uma série de países asiáticos.

Um dos principais objetivos da visita era a liberação de frigoríficos brasileiros para exportar para a China.

Segundo a Associação Brasileira das Indústrias Exportadoras de Carne (Abiec), a China é principal mercado para carne do Brasil em faturamento e o segundo em volume (atrás somente de Hong Kong).

Em 2018, os embarques de carne bovina para a China somaram 322,4 mil toneladas e US$ 1,49 bilhão. Os números representam alta de 52,54% e 60,04%, respectivamente, em relação a 2017.

Nos primeiros quatro meses deste ano, as vendas para o mercado chinês representaram 17,8% do volume total de carne bovina embarcado, com 95,7 mil toneladas e um faturamento de US$ 442,4 milhões, de acordo com a associação.

Nota do ministério

Leia abaixo a íntegra de nota divulgada nesta segunda-feira pelo Ministério da Agricultura:

Nota Oficial

1 - Examinada a notificação da ocorrência pela Organização Internacional de Saúde Animal (OIE), este órgão determinou hoje (3) o encerramento do caso sem alteração do status sanitário brasileiro, que segue como risco insignificante para a doença.

2 - A OIE informou ainda que não haverá relatórios suplementares sobre o caso.

3 - No caso da China, o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento do Brasil suspendeu temporariamente a emissão de certificados sanitários até que a autoridade chinesa conclua sua avaliação das informações já transmitidas sobre o episódio, cumprindo-se, assim, o disposto no protocolo bilateral assinado em 2015.


Veja também


Enquete
Qual sua opinião sobre as mudanças do trânsito nas perimetrais em anexo à BR 163?
  • Parcial