Sorriso FM 99,1

19/01/2019 14:09
Lida 1148 vezes.

Fernando Luiz com assessoria

Um dos serviços oferecidos pela Rota do Oeste ao usuário da BR-163, o atendimento clínico foi solicitado mais de 3,7 mil vezes de janeiro a dezembro de 2018. O número representa uma média de 10 pessoas com algum mal estar ou problema de saúde sendo atendidas pela Concessionária todos os dias. O socorro é desempenhado pela Concessionária no trecho de 850,9 km da BR-163, de Itiquira a Sinop, em Mato Grosso.

“O atendimento clínico vai desde um condutor com dor de cabeça a gestantes em trabalho de parto, que são acompanhadas e encaminhadas para unidades de saúde mais próximas. Já tivemos, inclusive, casos de partos na rodovia. Tudo isso disponibilizado ao usuário da BR-163 em tempo integral e com toda a estrutura operacional da Concessionária”, destaca o gerente de Operações da Rota, Wilson Ferreira.

Era final de tarde em 26 de dezembro do ano passado quando o operador de máquinas, Edinaldo Fernando Lima, teve um dos olhos atingidos por soda cáustica. Ele trabalha em uma usina a cerca de 2 quilômetros da base de atendimento da Rota do Oeste em Sorriso e mexia com o produto. Rapidamente, o homem foi encaminhado para a unidade e lá atendido pela equipe médica da Concessionária.

“Cheguei e já fui atendido. Eles fizeram uma limpeza e retiraram a soda antes que o produto entrasse em contato direto com o meu olho. Se eu tivesse que procurar algum hospital, teria que esperar muito mais, porque o mais próximo da usina fica a 30 quilômetros de distância”, contou Edinaldo.

Para atender aos usuários neste tipo de ocorrência, a Rota do Oeste conta com equipes operacionais por todo o segmento da rodovia. São 18 ambulâncias para atendimento médico, sendo cinco delas com UTI móvel para os casos de emergência. As equipes médicas também podem ser acionadas por meio do 0800 065 0163, que funciona 24 horas.

Veja também


Enquete
O governador de MT Mauro Mendes está há menos de 2 meses no poder e tem enfrentado críticas de vários setores. Qual o seu nível de confiança no atual governo?
  • Parcial