Sorriso FM 99,1

17/10/2018 20:54
Lida 343 vezes.

Fernando Luiz com assessoria

Iniciado no dia 14 de agosto, o Mutirão Fiscal de Negociação de Sorriso encerrou seus atendimentos no último dia 11, com mais de 2,6 mil acordos formalizados, finalizando com cerca de R$ 9,6 milhões negociados, dos R$ 70 milhões lançados na dívida ativa do município.

“Quero agradecer ao Tribunal de Justiça do Estado de Mato Grosso, que nos procurou para fazer esse mutirão, a Câmara Municipal, que aprovou a lei, e a nossa equipe de trabalho da Prefeitura que não mediu esforços nos últimos 60 dias para que esse mutirão desse certo. E o resultado foi excelente”, comemora o secretário de Fazenda, Sérgio Kocová.(foto)

A ação foi idealizada pelo Tribunal de Justiça do Estado do Mato Grosso (TJ-MT), através do Fórum da Comarca, e realizada em parceira com a Prefeitura de Sorriso.

De acordo com o secretário de Fazenda, os R$ 9.665.388,01 arrecadados com o mutirão entrarão na conta da Prefeitura de forma gradativa, conforme o parcelamento feito pelos munícipes, e o valor arrecadado já começará a ser investido de imediato no município. “Temos nos cofres públicos pouco mais de R$ 1,5 milhão, que deverá ser utilizado em obras de recuperação asfáltica, que serão feitas em vários pontos de Sorriso até o mês de dezembro”, declara.

Sérgio Kocová explica ainda que os contribuintes que não negociaram suas dívidas estarão sujeitos as penalidades legais cabíveis. “Peço para o contribuinte que veio e renegociou que honre e cumpra com a negociação para que ele não tenha nenhum tipo de problema com a volta dos juros e multas. Os que não vieram, terão que procurar o Departamento de Tributação para renegociar as dívidas, mas agora com juros, multas e correção monetária. Após o prazo legal, as pessoas que continuarem em débito com o município serão inscritas em protesto. Se não regularizarem sua situação, será iniciado o processo de busca de bens e dinheiro para pagar essa conta”.

Veja também


Enquete
Como Você avalia as decisões tomadas pelo presidente eleito Jair Bolsonaro?
  • Parcial