Sorriso FM 99,1

03/10/2018 19:00
Lida 168 vezes.

Fernando Luiz - Depto Jornalismo com NA

Nesta quarta-feira (03), o analista do SIMConsult, Liones Severo, conversou com o Notícias Agrícolas para conversar sobre os rumos do mercado da soja, que se aproximou novamente dos patamares de US$9/bushel na Bolsa de Chicago (CBOT).

Severo destaca que o preço não é causa da comercialização e das oscilações. A causa é a estrutura do mercado e como ela se comporta perante a oferta e a demanda. No Brasil, os produtores não aceitam vender a soja abaixo de US$10,50/bushel e o demandante, como precisa do produto, aceita pagar esse preço, de forma que os prêmios se encontram elevados neste mercado.

Para o analista, é possível estabelecer uma porção de relações a partir do produto. A literatura é muito dependente da CBOT, mas ele ressalta que existem muitos fatores alheios a isso. A China vinha dizendo que iria reduzir suas exportações, mas nesta noite já comprou soja para dezembro e janeiro no Brasil, de olho no plantio antecipado no Paraná.

A avaliação é de que a China vai buscar soja brasileira de qualquer maneira, já que um acordo com os Estados Unidos, da forma que foram feitas as retaliações, é difícil de ocorrer, na visão de Severo. Ele também salienta que o Brasil possui competência para atender a demanda chinesa, de forma que o país asiático deve investir neste mercado, que terá sempre a preferência.

Contudo, ele lembra que seria importante a presença de outros players e uma concorrência saudável no mercado. No entanto, a condição atual é extremamente relevante e o Brasil foi "premiado" por essa condição. A soja, se bem administrada, não dá prejuízo, como observa o analista.

Contabilizando Chicago e os prêmios, além da variação cambial, a soja tem potencial para trabalhar em um intervalo de preços de US$10,50/bushel até US$12,50/bushel no Brasil.

Fonte: Notícias Agrícolas

Veja também


Enquete
Em sua opinião, qual o principal desafio dos educadores?
  • Parcial