Sorriso FM 99,1

06/09/2018 16:39
Lida 914 vezes.

Tâmara Figueiredo


Nesta quarta-feira, 05 de setembro foi ouvida a última entrevistada da rodada de entrevistas realizada pela Sorriso FM com candidatos a deputado estadual e federal, Ane Borges do PSC. Anne Borges abriu a entrevista dizendo porque decidiu entrar para a política.“O que me fez aceitar esse chamado para participar de um processo político, algo que realmente eu passei muitos anos da minha vida negando, e inclusive tendo uma grande aversão pela política e por políticos foi entender que não basta nós ficarmos reclamando de algo se nós não fizermos nada para mudar. Então eu tomei essa decisão junto com a minha família, com meu esposo e com as pessoas que representam uma voz sobre minha vida como autoridade, como liderança, que chegou o momento de fazermos algo a respeito do que fez a sociedade sofrer tanto e nós também como cidadãos, batendo a cara na porta da corrupção o tempo todo. Sendo demandados para que entrássemos em esquemas. Esse fator de sofrimento e de tamanha bagunça na política me fez decidir e transferir como pessoa privada, como pessoa física para a política. E eu acredito que a gente possa fazer a diferença e é por isso que eu estou decidida a este pleito e a ocupar esse lugar no Congresso Nacional , representando não só Sorriso, a nossa região, com o nosso estado, que é um estado gigantesco e que infelizmente tem sido representado timidamente no Congresso Nacional, por políticos que priorizam seus interesses porque já começaram o seu pleito desde a campanha de uma forma incorreta. Quero dizer ao eleitor que nós decidimos que faríamos de forma correta, sendo assertivos e corretos porque nós os respeitamos”.

Com o tema Agricultura e Meio Ambiente, Ane Borges respondeu quais as suas propostas para agricultura para que os produtores rurais resolvam seus problemas na área ambiental e possam ter as liberações de recursos com Governo Federal. “Na agricultura infelizmente nós temos as ONGs que são organizações não governamentais que infelizmente tem exercido um papel de governo relativamente à agricultura e outras áreas como o meio ambiente. As ONGs são organismos muitas das vezes, internacionais que se propõe simplesmente a atrapalhar a produção. O agronegócio ocupa quase 7% do território brasileiro na produção de alimentos, mas o que as ONGs querem fazer com que a população acredite é que eles são os vilões, que eles degradam o meio ambiente e que degradam a fauna, a flora e eles são os bandidos. Na verdade, essas ONGs pretendem impedir que o MT e o Brasil se coloquem como de fato ele é, como um protagonista da economia global, gerando alimentos, sendo o celeiro para o mundo, porque eles tem interesses escusos, através de financiamento de grandes investidores, que decidem malignamente impedir o avanço através da economia no nosso Brasil. O que é o mais importante, o ser humano e a sua alimentação, ou a defesa do meio ambiente? Obvio que não estou pregando que o meio ambiente seja destruído, porque ele faz parte do ecossistema. Todo agricultor já sabe que ele precisa preservar os seus mananciais, as matas ciliares, ele precisa deixar as reservas de mata. Para até a sua produção seja eficiente e efetiva.

Ane Borges falou também quais são suas propostas para diminuir a carga tributária no Brasil. “Qualquer pessoa desde o trabalhador, até aquele que gera emprego e renda sabe que ele é sobrecarregado com o sistema tributário brasileiro. Infelizmente o País não oferece a contrapartida que são os serviços básicos, por exemplo, as estradas, a saúde, a educação, são áreas que o governo tem a prerrogativa de oferecer como contrapartida porque se o governo não produz riqueza, quem produz riqueza é o cidadão, seja aquele que tem uma microempresa, que contrata um funcionário, ou seja, aquele profissional autônomo até os grandes empresários que promovem projetos que empregam muitas pessoas, esses sim geram riquezas e geram taxas tributárias para o governo, que não retribui, o que é extremamente ineficiente na prestação, na contrapartida dos serviços à Nação, às pessoas que geraram renda. Aquilo que o governo pretende fazer hoje é cobrar o máximo de uma base mínima. O governo deve reduzir a carga tributária, porque senão vamos entrar num caos social, fazendo isso ele vai aumentar a base de arrecadação e fazendo isso, é dever do Estado prestar um serviço eficiente, e deixar de meter o bedelho onde ele não deve, por exemplo querer influenciar como os pais devem educar seus filhos, pretendendo legislar sobre tantas coisas que o governo não deve se meter e sendo omisso naquilo que deveria fazer, ou seja, o povo não existe por causa do governo, o governo é que existe por causa do povo. E é assim que o governo deve se comportar, tirando o peso do sistema produtivo, tirando a carga tributária que impede que as pessoas que geram empregos, que tem projetos coloquem em frente e gerem riqueza, gerem emprego e desenvolvimento. Se o governo pretende ser um Estado pesado, que quer legislar sobre todas as coisas e regular o mercado de forma sufocante, ele vai abrir precedentes para que nós nos tornemos uma Venezuela, ou Cuba, ou a Rússia comunista que o governo queria mandar até em como a pessoa deveria se vestir, ou que calçado ela deveria usar, ou o que ela deveria falar ou pensar. As pessoas são livres e se o governo deixar de atrapalhar, já vai ajudar bastante a população”.

Ane borges também respondeu sobre o Tema Geração de Emprego e Renda e falou sobre projetos para a qualificação de mão de obra e ações para geração de emprego e renda “A primeira coisa que deve ser feito é o governo parar de atrapalhar, reduzindo carga tributária e isso vai ser um grande estímulo para que aquele que gostaria de empreender, que tem uma ideia ele vai se sentir livre para poder fazê-lo e gerar o seu emprego e renda. Por outro lado o governo precisa sanear, curar, limpar o sistema educativo e técnico brasileiro que infelizmente se enveredou para um viés extremamente ideológico pregando intensamente para seus alunos e para as pessoas de que elas devem se revoltar contra aqueles que produzem riquezas e empregos, o sistema da mais valia, o marxismo cultural e isso veio minando nos jovens e das crianças o desejo de empreender. Hoje no Brasil, qualquer pessoa minimamente informada se sente desestimulada de empreender. O que devemos fazer é uma mudança radical no sistema de ensino, desde a educação básica, ensinando as crianças a lidar com finanças, a lidar com dinheiro, empreendedorismo, ensino musical, tantas coisas que poderiam ser ensinadas na educação básica, nos cursos de graduação e cursos técnicos não é diferente precisamos mudar esse viés que coloca o trabalhador contra o empregador, que coloca negro contra o branco, nordestino contra o sulista. Esse sistema de guerra entre classes sociais é algo que só serve para aqueles que pretendem minar o desenvolvimento do pais, precisamos mudar essa realidade culturalmente. O governo precisa ter ações radicais, para que os alunos sejam realmente ensinados em habilidades que será útil para sua cidadania, a primeira coisa que devemos fazer é uma mudança radical desde a educação básica, dessa mentalidade cultural, vai haver uma mudança no ambiente de empreendedorismo, num ambiente de geração de emprego e renda. E as pessoas sendo deixadas livres, elas vão produzir porque isso é inato do ser humano. Todo ser humano quer se sentir útil e gosta de produzir e gosta de ser útil em alguma coisa e dependendo de suas habilidades e da sua vocação, ele vai criar e vai fazer”.

Com o tema Educação e Cultura, a pergunta foi relacionada à reestruturação da base curricular nas escolas, mas sem avanços no ensino público, como dar maior qualidade equiparando o ensino público com o privado “É um desafio enorme limpar toda essa ideologia implantada nas escolas, o Brasil ocupa um dos últimos lugares no ranking de alfabetização e de escolaridade, e de eficiência, temos muitos alunos que vão para a escola sem aprender efetivamente o que deveriam aprender porque foram largados nas mãos de ideologistas, de quem pretendia minar as bases, derrubar os pilares de sustentação da sociedade. Nossa sociedade é baseada em pilares judaicos cristãos e por muito tempo esses valores foram combatidos e pretendidos que fossem derrubados na nossa sociedade. Não estou falando de religião, estou falando que a civilização ocidental, ela é uma das melhores civilizações do mundo exatamente porque os princípios judaicos cristãos foram mantidos. No momento em que são combatidos e tirados das escolas temos um ambiente de caos, onde não progredimos, ficamos enredados numa briga rasteira aprendendo ou ensinando nossas crianças coisas que não deveriam ser abordadas em sala de aula e aí culmina no descaso total onde vimos na história pegando fogo e sendo destruída no incêndio do Museu Imperial da Quinta da Boa Vista, onde boa parte de nossa história foi queimada pelo descaso com a educação, descaso com a cultura e com a história da nossa nação.

Com o tema Trânsito e Mobilidade Urbana a pergunta foi em relação a um dos problemas enfrentados nos municípios que é a falta de estacionamentos para caminhões e como a candidata pretende fazer para resolver esta questão “Nós vivemos em Sorriso esse caos, que nós andamos pela BR e estradas vicinais do município e temos um intenso tráfego e estacionamento de caminhões em lugares indevidos porque eles não têm aonde estacionar e isso é uma lógica verdade que tem que ser resolvido. Um dos planos que temos é transformar Sorriso em um polo de transporte onde houvesse uma estação, que reunisse tanto rodovias, quanto ferrovias num sistema intermodal de transportes e nesse local que deveria ser feito através de parceria público-privada, promover um sistema em que o caminhoneiro pudesse tanto estacionar, como tomar banho e fazer suas refeições, e ele transferiria suas cargas para ferrovia que é um sonho e uma necessidade, como para caminhões menores, um polo intermodal de transporte com sede em Sorriso, Capital Nacional de Produção de Grãos e que sofre na pele essa alta demanda de transporte de caminhões e o sistema está totalmente afogado. É preciso que o Governo entre fazendo a sua parte e é preciso que os empresários que tenham vontade e vocação nessa área que se unam e implementem esse sistema, como já temos exemplos em outras cidades. Nós temos Rondonópolis, que já tem um exemplo que podemos copiar aquilo que deu certo lá. Temos outras cidades, como Curitiba aonde a LL privatizou a ferrovia do governo, que só dava prejuízo, se tornou um exemplo de eficiência em transporte de ferrovia e temos grandes exemplos como o Japão, que é um país extremamente acidentado geograficamente, mas que tem o seu território totalmente servido por ferrovias. Nós temos grandes rios que podem ser navegáveis, como o Teles Pires. É uma vergonha o Brasil não ter ainda um envolvimento na construção de ferrovias para desafogar a nossa logística que está tão decadente e nós temos as hidrovias e também, é obvio a duplicação da BR 163, que todo mundo sabe, foi licitada, era para estar pronta já, ou praticamente pronta o ano que vem e ainda não terminou por descaso com o dinheiro público.

No tema livre Ane Borges foi questionada sobre o fato do seu partido ter dois candidatos para deputado federal e ela ter que disputar votos com alguém do mesmo partido. “Essa foi uma decisão que não fui eu que tomei, obvio que eu gostaria de sair candidata única aqui em Sorriso, mas como todo processo democrático, nós não conseguimos controlar, eu não esse poder e isso é democracia. Nós temos dois candidatos do PSC e eu estou na mesma legenda que o meu colega Marcos Härter, os votos que ele fizer, podem me ajudar, assim como os votos que eu fizer eventualmente podem ajudá-lo a chegar lá, porque nós não dependemos só de Sorriso para um pleito federal, então nós temos que fazer campanha no estado inteiro e é um desafio pra mim essa situação, mas não foi eu que tomei essa decisão, obviamente eu gostaria de ter saído com uma candidatura única, acho que isso seria mais viável para a cidade. Eu acredito que eu seja a melhor opção pra esse pleito, porque eu me sinto mais preparada e mais capacitada pra isso pra representar Sorriso e região em Brasília. Mas essa decisão não foi minha, não quero aqui levantar culpados, eu cheguei de uma forma, por último nessa disputa, antes já haviam sido feitos acordos. O fato é que saíram dois candidatos. Mas, a maioria da população diz, por exemplo, que o meu colega tem um alcance maior fora de Sorriso do que aqui. E isso quem vai decidir é o eleitor, que é inteligente, que sabe como se posicionar e eu espero que ele saiba fazer a melhor escolha e que realmente Sorriso tenha uma representante em Brasília e eu tenho a convicção de que eu seja a melhor opção que nós temos, mas o eleitor vai saber decidir. E eu confio na capacidade, na inteligência do nosso eleitor. Sorriso é uma cidade que eu amo, moro aqui há 22 anos, já fiz tanto pela cidade e a cidade também já me abençoou tanto, eu e meu esposo, começamos aqui do zero, dois jovens que só tinham a cara e a coragem, porque acreditamos e a cidade nos deu essa oportunidade e eu acredito que Sorriso vai entender que esse pleito é justo, que esse pleito é verdadeiro e que chegarmos à Câmara Federal é algo que vai beneficiar o nosso município, a nossa região e o nosso Estado. Sorriso que é uma protagonista no Estado como produtora de grãos vai ser também uma protagonista no cenário político Nacional.

Em suas considerações finais Ane agradeceu a oportunidade de expor suas ideias e disse que se sente a vontade para pedir o voto. “Temos uma história aqui. As pessoas de bem desta cidade e que não tem memória curta, elas sabem que apesar de termos sofrido,fomos quase destruídos na nossaempresa, na nossa vida, por não termos nos submetido a corrupção, por não nos dobrar a esse esquema que hoje recentemente levou presos a maioria desses empreiteiros que estavam conosco sentados à mesa, que nós pensamos a chegar a negociar com eles, quando a gente não sabia que o Brasil estava mergulhado na corrupção. Mas quando isso chegou de fato, nós tomamos a decisão mais correta que foi não entrar nesse esquema e por isso, estamos aqui hoje, porque nós poderíamos ter entrado no mesmo esquema dos outros e esse fato me fortalece, para hoje vir pedir o voto para as pessoas. Sabemos quanto as pessoas sofrem, como todos os empresários que sofrem tanto com esse sistema tão pesado e corrupto, quem nunca foi ferido no campo de batalha, mas aquilo que não nos mata nos fortalece e essa legitimidade para que eu represente essas pessoas que estão sofrendo as mesmas coisas que nós sofremos ou outras. Elas acreditem que há esperança. VocÊ não precisa se dobrar a este sistema corrupto. Você pode continuar, siga em frente, vai haver uma luz no fim do túnel. É possível você ser integro, ser honesto, mesmo quando todos dizem que não, você pode acreditar que o Brasil está sendo passado a limpo, que existe pessoas integras honestas que podem te representar e eu sou uma dessas pessoas. Tenho a sinceridade e dignidade de pedir seu voto”.

Veja também


Enquete
Que nota você dá para a Administração Municipal de Sorriso em 2018?
  • Parcial