Sorriso FM 99,1

21/08/2018 17:21
Lida 1103 vezes.

Tâmara Figueiredo


A rádio Sorriso FM continua com a série de entrevistas com os candidatos a deputados estaduais e federais por Sorriso. A emissora já ouviu a candidata Adriana Tavares, PSC.

Nesta terça-feira, 21 de agosto, foi a vez do candidato a deputado estadual, Junior Pé no Chão PPL ser entrevistado na Sorriso FM, no programa A Voz do Povo.

Com apresentação de Ivan Oliveira e Tâmara Figueiredo, o candidato foi sabatinado sobre os temas sorteados por ele mesmo no momento da entrevista que teve a duração de trinta minutos, das 11:30 ás 12:00.

Os temas sorteados foram: Agricultura e Meio Ambiente, Geração de Emprego, Saúde, Esporte e Lazer e Corrupção. A sexta e ultima pergunta foi com Tema Livre feita pela emissora. O candidato teve três minutos para responder cada questão, dois minutos para sua apresentação inicial e três minutos para suas considerações finais com pedido de voto.

O candidato se apresentou como um candidato diferenciado, para buscar recursos, de forma crítica. Disse não adianta eleger o Pé no Chão e deixar os mesmos deputados que estão lá, que é preciso uma composição nova na AL para que possa trabalhar. Disse que o estado de Mato Grosso precisa de homens sérios e honestos para defender os pequenos e os grandes. Disse que quer primeiro ajeita a casa, ou seja, Sorriso, para depois ajeitar os outros municípios. Disse que pretende defender os mais humildes.

O primeiro tema sorteado foi Agricultura e Meio Ambiente o candidato respondeu sobre a resistência da Sema com relação à descentralização das licenças ambientais para os municípios e como romper à essa barreira burocrática. “Quero falar da SEMA, em termos de corrupção o que está havendo dentro da Sema, tem várias APPs que estão sendo derrubadas, dando licenciamento para derrubar áreas que são APP. Sorriso está sofrendo com esta questão da estrutura do meio ambiente. Sou um defensor do meio ambiente. Tem áreas que dá para desmatar sem prejudicar as APPs e as nascentes de água. Em Sorriso está tendo um desrespeito muito grande. Temos que parar com esse ‘bate bunda’ do MPE que bate a bunda na cadeira e não fiscaliza. Temos que acabar com fraudes de licenças dentro de prefeituras, da Sema, que não estão sendo combatidas pelo GAECO com órgão federal, que deveria tomar essas providencias. Isso é caso do GAECO para combater essa corrupção de licenciamento frio. Vou trabalhar para legalizar o meio ambiente dos nossos municípios... Todo estado de Mato Grosso está corrompido pela ‘máfia’ da Sema.

Outro tema sorteado foi Esporte e Lazer Pé no Chão. Ele respondeu como pretende buscar recursos para incentivos ao esporte amador. “O esporte começa dentro dos colégios, na Educação. Temos que buscar recursos para investir no nosso futuro que são as crianças. Vejo uma situação em Sorriso e no Estado de Mato Grosso, que o candidato Baiano Filho que queria fazer estrutura dentro do Estado e não conseguiu, só ‘passou a mão’. Junior Pé no Chão vai estar dentro da AL para trazer o dinheiro para o esporte para os nossos municípios, tenho que ajeitar primeiro Sorriso e depois os outros municípios. Aqui precisamos de ônibus disponível, investir mais no esporte e lazer, que também é cultura e lazer”.

Sobre corrupção o candidato respondeu ao questionamento sobre o caixa 2 e a compra de votos e como pretende combater esta situação. “Essa é uma situação que o Brasil está passando. A corrupção está dentro das igrejas, das escolas, está esparramadas, tem muitos deputados que poderiam fazer mais pelo Estado, mas pensam mais no umbigo deles, na família deles do que nos mato-grossenses. Tem deputados ,que não vou citar nomes, estão pagando um preço caro. Quero ser um deputado para ser um orgulho. Está vendo o exemplo do prefeito de Colatina, que exemplo. Tenho uma proposta de que se ganhar as eleições, metade do meu salário vou quero fazer o compromisso aqui na rádio de doar a metade do meu salário para o Hospital do Câncer. A corrupção está avançada, está na Polícia, no Executivo, no Judiciário, no MP, está nos políticos. Para acabar com essa situação temos que colocar o Judiciário no lugar dele. O povo só condena os políticos, mas está no judiciário está por traz, é juiz, é ministro, é promotor. Mas o povo não sabe. O Pé no chão vai trabalhar junto ao MPE, para chamar essa situação desses órgãos que estão corrompidos”.

Com o tema Geração de Emprego e Renda, respondeu como enxerga a imigração de outros estados para Mato Grosso e se devemos fomentar a vinda de mais pessoas ou é vendida uma ilusão e devemos proteger o emprego para os mato-grossenses. “Eu acho que o Brasil está preparado, os brasileiros são muito humanos e devem receber essas pessoas. O Brasil não deve cortar a relação com esse povo, são seres humanos. O Emprego dentro de Sorriso e no MT, não temos indústrias, não temos nada. Está na hora de buscar industrias para Sorriso. De ter um deputado preparado para buscar indústrias e investir em Sorriso, gerar emprego. A criminalidade é porque muitas pessoas querem emprego mas não tem. Eu quero doar metade do meu salário porque acredito que dá para sobreviver com 10 mil reais. conheço gente que vive com 1500 reais e consegue sobreviver com esse salário, porque a gente vê o sofrimento do povo, vivendo com tão pouco”.

Sobre a saúde pública Junior Pé no Chão respondeu de que forma avalia o sistema informatizado SISREG para marcação de consultas e exames e de que forma pretende melhorar esta área. “A área da saúde está precária em todas as situações, não é só em Sorriso, é Cuiabá, Sinop. Eu acho que tinha que ter um convênio Estadual, Federal, municipal, câmara de vereadores, prefeituras, para buscar melhores recursos. Hoje temos a ‘Fetagri’, que libera muitos recursos para os agricultores. Se buscarmos esses recursos teríamos uma saúde de primeira. Eu mesmo faço tratamento para depressão, fui na doutora e tinha mais de 300 pessoas, três hora da manhã já tinha chegado lá. E tinha só uma medica para atender esse povo. Acho que precisa investir mais, porque o povo precisa de saúde, de educação. Temos que ter uma saúde modelo. Hoje não temos, não tem um carro para buscar pessoas que precisam se deslocar até o hospital.Se o povo me der oportunidade quero brigar pela saúde. Conheço gente com câncer, com diabetes e não estão conseguindo consultas”.

No tema livre respondeu sobre sua prisão por ter liderado invasão de terras. E se a detenção o fez refletir sobre isso. “Minha depressão é porque fui preso, fui caluniado pelo Ministério Público. Eu estava lá para dar apoio ao povo para chamar a imprensa. Dissera olha o Pé no Chão, já veio policia e tudo. Eu estava defendendo a classe pequena. Serei o deputado da classe pequena. Eu não estava preocupado porque sabia que era uma armação do MP. Já representei a policia, o MP, e o juiz dessa comarca no CNJ, na corregedoria, será que eles estariam de bem comigo? Não, minha prisão foi armada. Tem liminar para tirar o Jonas Pinheiro. Tem liminar que está na justiça federal e estão passando por cima porque o MP acata essa situação, não tem responsabilidade com o povo. Tem mais 1600 hectares para colocar os pequenos, cadê que o INCRA coloca os pequenos? Nunca invadi terra. Estão colocando que sou grileiro, vou grilar mesmo. Me chama de grileiro, sou feliz por isso. Porque todos esses gaúchos que estão em Sorriso foi terra vendida grilada para eles plantarem. Agora querem condenar o Pé no Chão porquê? Nesse MT tem de tudo. E 90% da documentação das terras em Mato Grosso são frias, deslocadas, terras da União em cima do Estado, o Estado com documento em cima da terra da União. O Pé no Chão vai legalizar porque sei fazer isso”.

Pé no Chão se despediu pedindo voto para ele e para o candidato a governador Artur Nogueira dizendo que vai trabalhar pela saúde, pela segurança. Citou que a policia não tem bafômetros e tem que pegar emprestado. Pediu oportunidade para trabalhar como um deputado diferenciado e trazer recursos. Voltou a dizer que irá doar metade do salário para o Hospital do Câncer. E que irá trabalhar para resolver os conflitos de terras e a legalização dos assentamentos junto ao INCRA e INTERMAT. Terminou dizendo que está preparado e se não for eleito para deputado, irá disputar para prefeito de Sorriso.

Veja também


Enquete
Que nota você dá para a Administração Municipal de Sorriso em 2018?
  • Parcial