Sorriso FM 99,1

04/06/2018 17:59
Lida 336 vezes.

Fernando Luiz com assessoria

Ainda na data de 28 de maio, foi realizada uma reunião extraordinária no Palácio Paiaguás para tratar da paralisação dos caminhoneiros. Na ocasião, participaram o governador de Mato Grosso, Pedro Taques, seu secretariado, representantes dos empresários transportadores, setores do comércio e da indústria, entidades representativas do agronegócio e sindicato dos transportadores autônomos.

Uma das principais reivindicações dos setores foi a redução da alíquota do ICMS do diesel para 12%, mesma taxa praticada por alguns outros estados, com vocação agrícola como Mato Grosso.

Taques e seus secretários tentaram justificar a incapacidade atual do estado, sem, no entanto, propor solução efetiva para o problema.

Alguns sites da imprensa, inclusive o do Governo do Estado, veicularam uma matéria com a chamada “Proposta do governo de Mato Grosso congela e reduz preço dos combustíveis”, afirmando que haverá uma redução de R$ 0,17 na bomba de combustível.

A Aprosoja vem esclarecer que essas matérias induzem o leitor ao erro, não há qualquer proposta do Estado no sentido de reduzir a carga tributária sobre o diesel. O que existe é um congelamento, por um mês, do Preço Médio Ponderado ao Consumidor Final (PMPF), que é o preço base utilizado para cálculo de tributação do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), dos combustíveis, ou seja, não haverá redução no preço do diesel, e sim a manutenção do preço atual já existente na bomba, já que não haverá aumento, o que seria inadmissível nesse momento.

A Aprosoja lamenta que não haja uma proposta do governo no sentido de atenuar a grave crise que se instalou, lamenta mais ainda ter que esclarecer essa notícia sobre a redução do valor do diesel no estado.


Veja também


Enquete
Em sua opinião, qual o principal desafio dos educadores?
  • Parcial