01/06/2018 14:38

Quantidade de visualizações: 422

Olhar Direto

Onze unidades de saúde do estado suspenderam a realização de cirurgias eletivas e procedimentos como consultas e exames marcados para os dias 29 e 30 de abril, em decorrência da falta da greve dos caminhoneiros. A situação foi normalizada nesta sexta-feira (1), um dia após o feriado de Corpus Christi.

Dentre os hospitais que paralisaram o serviço estão sete hospitais regionais. São eles: de Várzea Grande, Sinop, Cáceres, Rondonópolis, Colider, Alta Floresta e Sorriso. As cidades de Peixoto de Azevedo, Água Boa e Barra do Bugres também tiveram problemas para executar procedimentos médicos.

Conforme a secretaria da Saúde do Estado, as suspensões ocorreram devido ao atraso de entrega de medicamentos, combustíveis e gás de cozinha para o hospital por conta dos dez dias de paralisação dos caminhoneiros.

No último dia 25, o hospital São Lucas, na cidade de Lucas de Rio Verde, que é particular, mas atende por meio do convênio com o Sistema Único de Saúde (SUS) comunicou que estava realizando apenas cirurgias de emergência e partos, suspendendo as cirurgias eletivas.

A greve também impactou em vários outros setores causando prejuízos a empresários e a falta de produtos em supermercados.

Em todo o estado, cerca de 29 frigoríficos paralisaram e cerca de 23 mil trabalhadores da área ficaram impedidos de exercer suas funções.

De acordo com a Associação dos Criadores de Mato Grosso (Acrimat) em todo o estado, os serviços de abate de bovino ficaram suspensos nos dez dias de greve, gerando o prejuízo de R$ 35 milhões por dia.