01/06/2018 06:34

Quantidade de visualizações: 572

Assessoria

Uma onça parda, de aproximadamente um ano de idade, foi resgatada por volta das 7h desta quarta-feira (30.05), em Pontes e Lacerda. Fraco e debilitado, o animal recebeu os primeiros atendimentos em uma clínica particular que presta atendimento ao canil da Polícia Militar no município. Depois, foi transportado até Cáceres pela Companhia de Polícia Militar de Proteção ambiental onde uma equipe do Centro de Triagem de Animais Silvestres (Cetas), de Cuiabá, já aguardava para trazê-la para a Capital. Por volta das 21h, a onça deu entrada no hospital veterinário da Unic para os cuidados médicos, antes de ir para o Batalhão Ambiental.

A onça foi localizada rondando o curral (vazio) do parque de exposições de Pontes e Lacerda. Segundo relatos, esta não seria a primeira vez que o animal circulava pela região. Devido a fragilidade da saúde, a onça não esboçou reação na captura.

“Não é uma ocorrência comum na cidade. Talvez estivesse à procura de alimentos, mas não atacou ninguém, o que caracteriza um animal criado em cativeiro. Pode ser que tenha fugido de alguma fazenda. Geralmente, mesmo debilitado, o animal silvestre ataca, é característico dele. Ela não. Parecia tranquila e a vontade ao ser colocada no ambiente para receber os cuidados, até se lambia”, explicou o tenente da polícia militar do 18º Batalhão de Pontes e Lacerda, Gabriel Lucas Lopes Mario, que participou do resgate, juntamente com os Bombeiros da 8º Companhia.

O capitão da Polícia Ambiental de Cáceres, Roosevelt Marcos Barros da Silva, também presenciou a fragilidade em que se encontrava a onça parda. “Bastante debilitada, machucada. Vai precisar de cuidados até se recuperar “, disse ele, observando que a onça possui ferimentos aparentemente cicatrizados.

A onça estava com bastante carrapato, recebeu os primeiros atendimentos e alimentação na clínica, em Pontes e Lacerda. Depois seguiu viagem até Cáceres, onde chegou por volta do meio dia, e de lá, foi trazida para Cuiabá. Após os cuidados, a onça vai para o Centro de Triagem de Animais Silvestres, que fica dentro do Batalhão de Polícia Militar de Proteção Ambiental e atua em parceria com a Secretaria de Estado de Meio Ambiente. Será avaliada por biólogos e se tiver condições passará por trabalho de reintegração a natureza.

O Cetas possui parceria com dois hospitais universitários, o da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) e da Universidade de Cuiabá (Unic). Por conta do horário, o plantão da Unic realizou o atendimento.

Defesa

Cada animal silvestre possui seu mecanismo de defesa. São capazes de provocar graves lesões ao ser humano. Portanto, a orientação do Cetas, é que, “de maneira nenhuma as pessoas devem tentar capturar um animal silvestre por mais que aparente ser dócil”.