Sorriso FM 99,1

Sorriso: levantamento do segundo ciclo geral sobre o comportamento do Mosquito Aedes apresenta diminuição, mas alguns bairros estão em estado de alerta

23/05/2018 06:53
Lida 326 vezes.

Assessoria

O novo levantamento do índice de infestação predial do mosquito Aedes aegypti, que é realizado a cada 60 dias, aponta queda no índice geral larvário encontrado nos domicílios de Sorriso, mas alguns bairros apresentam aumento no número de foco do mosquito.

Apesar da diminuição do índice geral, o numero ainda é preocupante, “o resultado deste segundo ciclo nos apontou o índice geral larvário de 3,48, onde tivemos uma leve diminuição em relação ao primeiro ciclo que era de 4,30 mas esses números ainda são preocupantes, pois o preconizado pelo Ministério da Saúde é de 1%”, explicou a coordenadora da vigilância em saúde, Tayná Vacaro.

Os agentes de vigilância ambiental visitaram 42.465 imóveis, em 63 localidades, incluindo os distritos, o Projeto Casulo e o Assentamento Jonas Pinheiro. Em alguns bairros os agentes encontraram mais recipientes com larvas do mosquito. “Nos bairros Loteamento Industrial Valo, Bairro Industrial, Bairro Verdes Campos, Bairro União, Industrial Leonel Bedin, Bairro Taiamã, Bairro Fraternidade e residencial São Francisco a situação é preocupante, pois foram encontrados grande quantidade de recipientes móveis com larvas do mosquito. Vamos intensificar as ações, mas precisamos dos empenhos dos moradores, haja vista que a maioria dos focos está dentro dos quintais e podem ser removidos pelos próprios moradores. É muito importante a parceria com todos munícipes para realizar a limpezas dos quintais, continuar o monitoramento das calhas, caixas d’água e sempre cuidando com o lixo comum e assim, juntos combatermos o Aedes”, explicou Tayná.

O número de casos de dengue confirmado, no período de janeiro a abril de 2018, foi de 22 casos. Já no mesmo período em 2017 foram confirmados 36 casos. Para zika foi um caso confirmado neste ano e nenhum caso no mesmo período do ano passado. A chikungunya aumentou de cinco casos neste ano, para três em 2017.

Veja também


Enquete
Em sua opinião, qual o principal desafio dos educadores?
  • Parcial