30/01/2018 15:04

Quantidade de visualizações: 502

O Liberal


Preço do gás de cozinha cobrado do consumidor continua sendo o mesmo

“O valor de compra para mim aumentou R$ 12, mas repassei só R$ 7. A própria companhia disse que não vai baixar o preço. Eles irão usar essa diminuição para recompor a margem por conta dos reajustes do ano passado”, disse o empresário.

Dono de uma revenda em Santa Bárbara d’Oeste, José Rodrigues disse que os custos têm aumentado e que isso vem impactando no preço do produto. “Não temos como reduzir o preço porque os últimos dois reajustes não repassamos”, afirmou. “Conversamos com a distribuidora e eles disseram que estão estudando, mas por enquanto não terá redução”.

O preço do GLP (Gás Liquefeito de Petróleo) em Americana está chegando a R$ 70, segundo a ANP. Em janeiro do ano passado, antes da mudança de política de preços do produto, o valor máximo chegava a R$ 60. Este é o maior valor para um primeiro mês do ano desde 2013, início da série histórica da ANP.

O maior aumento percentual ocorreu entre 2015 e 2016, quando o produto passou de R$ 52 para R$ 62, o que representou um salto de 19%. A reportagem apurou que em outras cidades da região, o preço do produto este ano chega a R$ 77.

Política

A Petrobras informou que as revisões podem ou não se refletir no preço final ao consumidor. Outra mudança na política de preço é em relação à frequência dos ajustes, que será agora trimestral ao invés de mensal, com vigência no dia 5.

O presidente da Asmirg (Associação Brasileira de Revendedores de GLP), Alexandre José Borjaili, disse que em algumas regiões o preço de compra do botijão aumentou ao invés de diminuir, e que isso ocorreu em função de ajustes de custos das distribuidoras.

“O botijão de gás de cozinha custava em janeiro de 2017 na refinaria R$ 13,24, e chega hoje, com o devido desconto de 5%, em R$ 23,16, o que representa um aumento de 75%”, comentou o presidente, em nota.