13/11/2017 16:04

Quantidade de visualizações: 192

G1/MT

Os detentos da ala onde 27 presos fugiram da Penitenciária Major Eldo Sá Corrêa, a Mata Grande, em Rondonópolis, a 218 km de Cuiabá, não irão receber visitas durante 30 dias, segundo a Secretaria Estadual de Justiça e Direitos Humanos (Sejudh-MT). Os presos conseguiram escapar depois que criminosos explodiram parte do muro da unidade. Do total de fugitivos, dez já foram recapturados.

As visitas que ocorreriam no domingo (12) não ocorreram, de acordo com Sindicato dos Servidores Penitenciários do Estado de Mato Grosso (Sindspen-MT). Os familiares dos detentos de outras alas, no entanto, puderam visitar os presos normalmente.

Além da suspensão das visitas, os detentos deverão ficar recolhidos no isolamento pelo mesmo período. A ala de onde os detentos fugiram abrigava 70 presos. A Mata Grande tem capacidade para 828 presos, mas atualmente tem 1,3 mil presidiários.

Fuga e recaptura

Segundo a Sejudh, os presos fugiram após a explosão em parte do muro lateral direito. Antes eles serraram a grade de uma das celas do raio 3 e o alambrado que divide o local perto do muro. A explosão foi causada por artefatos presos em uma bicicleta, que foi encostada na muralha e acionada a distância.

Momentos antes da explosão, agentes penitenciários que ficam nas torres de vigilância avistaram duas pessoas se escondendo na mata ao lado da penitenciária e logo em seguida o estrondo, seguido de tiros contra a muralha e os agentes.

Até agora, foram recapturados Antônio Mizael Silva Souza (roubo qualificado); Cleverson Ferreira da Silva (preso por mandado); Douglas Siqueira de Souza (tráfico de drogas); Ismael da Costa dos Santos (roubo qualificado e corrupção de menor), Airton José de Oliveira (tráfico de drogas), Marcos Vaz de Oliveira (tráfico de drogas) e Werivelton Pedro de Almeida (homicídio); Jailson Soares Anicesio (tráfico de drogas, assalto e receptação); Eder Fernando da Silva (tráfico de drogas e homicídio); José Carlos Gomes de Lima (tráfico de drogas).