08/10/2017 08:08

Quantidade de visualizações: 252

assessoria

Foi criada a União Nacional do Etanol de Milho (Unem), em Cuiabá. Composta pelo setor privado e entidades representativas do setor agrícola, o objetivo da associação é fomentar o desenvolvimento industrial do etanol de milho no país. Conduzida pelo conselheiro consultivo e ex-presidente da Associação dos Produtores de Soja e Milho de Mato Grosso (Aprosoja), Ricardo Tomczyk, e pelo também conselheiro consultivo e vice-presidente da Associação Brasileira de Produtores de Milho (Abramilho), Glauber Silveira, a Unem é um marco para o setor.

“Nosso objetivo é focar no desenvolvimento da cadeia do etanol de milho. Sabemos que temos potencial. Agora, com a associação, poderemos desenvolvê-lo de maneira mais articulada”, afirma Tomczyk. Defensor do etanol de milho há anos em Mato Grosso, Silveira destaca a importância da associação com foco em resultados. “A associação é um marco para o desenvolvimento dessa cadeia que vem crescendo no Brasil. É importante termos uma associação nacional, que busque alternativas para resolver nossos gargalos e também que incentive o setor”, afirma. Para o presidente da FS Bionergia, Henrique Ubrig, a Unem possibilitará o crescimento de todos os elos.

“A associação é um grande benefício para incentivar a competência, organizar a indústria e acelerar o processo de instalação de novas unidades industriais. Esse é o grande motor. Nós já somos palco de uma produção agrícola espetacular, mas a indústria ainda é embrionária. A associação vai acelerar esse processo, unindo a cadeia e fazendo com que os processos sejam mais dinâmicos e eficazes”, pontua. A FS Bioenergia é uma usina que produz etanol e coprodutos do milho em Lucas do Rio Verde, inaugurada em agosto deste ano. Presidente regional da Novozymes América Latina, Emerson Vasconcelos considera um avanço para o agronegócio a criação da Unem.

“A associação veio em um momento essencial e adequado. Ela servirá para suportar e estruturar a cadeia do milho. Sabemos que só uma empresa ou uma parte desta cadeia não conseguiria, sozinha, fazer com que o etanol de milho se desenvolvesse”, destaca.

A Unem – A Unem foi criada durante reunião nesta segunda-feira (18). Estavam presentes e compõem a associação as seguintes instituições: Aprosoja, Associação dos Produtores de Sementes (Aprosmat), Abramilho, Associação de Reflorestadores de Mato Grosso (Arefloresta), Associação dos Criadores de Mato Grosso (Acrimat) e Federação da Agricultura e Pecuária de Mato Grosso (Famato).

Do setor privado, estiveram representantes da indústria de etanol, como a FS Bioenergia e a SJC, de Goiás; fornecedores de máquinas e equipamentos, como SL Process, Fermentec, Amazônia Máquinas e Lallemand BDS; e empresas de produtos químicos, insumos e sementes, como Dow/Du Pont, Pioneer, Novozymes e Leaf.

Representantes da Cooperativa Agropecuária e Industrial Celeiro do Norte (Coacen), das indústrias Alcoolina e Alcooad, da comercializadora CHS e da Fundação Rio Verde também participaram da reunião de criação da Unem.

O etanol de milho – Um estudo apresentado neste mês, realizado pelo Instituto Mato-Grossense de Economia Agropecuária (Imea) e solicitado pela Aprosoja e Sindicato das Indústrias Sucroalcooleiras (Sindalcool-MT), mostrou que Mato Grosso tem viabilidade para produção de etanol de milho.