02/09/2017 17:31

Quantidade de visualizações: 522

G!/MT

Foragida há 10 anos, uma mulher de 31 anos, acusada de participar de um latrocínio (roubo seguido de morte), foi presa na quinta-feira (31), em Confresa, a 1.160 km de Cuiabá.

O crime, do qual Beatriz Neta Barbosa Aguiar teria participado, ocorreu em 2006, em Canabrava do Norte, a 1.132 km da capital. Beatriz foi condenada a 22 anos e nove meses de prisão em regime fechado.

Conforme a acusação do Ministério Público Estadual (MPE), em 2006, Beatriz e um homem foram até um bar para roubar Anselmo Olimpio de Oliveira. Ela pegou a bolsa da vítima, à procura de uma arma de fogo e, como não encontrou e plano foi frustrado, outros quatro homens, que faziam parte do crime, voltaram ao local e pegaram R$ 40 do bolso da vítima.

Todo o crime foi planejado momentos antes na casa de Beatriz, que em companhia de outros três homens, planejaram roubar uma suposta arma de fogo tipo revólver que estaria em poder da vítima.

Os criminosos ainda espancaram a vítima, com chutes, murros e pontapés. Um deles resolveu que deveriam matá-la e passou a enforcá-la com as próprias mãos. O corpo de Anselmo foi enterrado, na tentativa de esconder o crime.

Durante as investigações, foram encontrados bilhetes trocados entre Beatriz e Elque Vandanc Pereira da Costa, com tentativas de acordos quando às versões que dariam à Justiça sobre o crime. O bilhete que ele encaminhou à ela continua a seguinte mensagem: "Beatriz você vai falar no juiz que ninguém matou o Tudo, nós vamos falar que só teve aquele empurrão que você deu nele, porque não tem prova lá fora que prova que nós mato o Tudo entendeu nós podemos sair com 30 dias".

Por sua vez, Beatriz reconheceu ter escrito o bilhete contendo a seguinte mensagem: “Elque, por favor, não fale para o juiz que eu peguei o dinheiro se não vai dar latrocínio, se foi você quem matou o velho e colocou nós nessa, então assuma".

Segundo a polícia, na época do crime, Beatriz foi presa e encaminhada à Cadeia Pública de Porto Alegre do Norte, a 1.143 km de Cuiabá. Depois de sete meses presa, ela conseguiu serrar as grades da cela e fugir. Só agora ela foi recapturada.