19/04/2017 07:34

Quantidade de visualizações: 231

Diário de Cuiabá

A proposta que homenageia o ex-presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva (PT) com o título de Cidadão Mato-Grossense e que foi aprovada em primeira votação na semana passada pela Assembleia Legislativa de Mato Grosso vem causando polêmica no Estado e deverá ser motivo para a mobilização de rua entre o “Movimento Brasil Livre” (MBL) e “Vem Pra Rua” e os movimentos sociais e a militância petista.

Logo após circular pelas redes sociais à aprovação do título a Lula, de autoria do deputado estadual Valdir Barranco (PT), vários comentários nas redes sociais surgiram entre membros do MBL e do PT. Para um dos coordenadores do “Vem Pra Rua”, o empresário Júnior Macagnan, é possível que haja uma mobilização caso, o ex-presidente Lula venha na cerimônia de entrega do título de Cidadão Mato-Grossense.

“Nós ainda não nos reunimos entre nós e nem com MBL para discutir se essa homenagem mereça uma mobilização contrária. Isso será decidido em coletivo. Mas seria mais prudente que o ex-presidente Lula não comparecesse nessa possível homenagem. Até por conta da sua atual situação, sendo delatado por vários membros da Odebrecht”, disse Macagnan.

Para ele, nenhum investigado na Lava Jato deveria merecer homenagens como essa. “Infelizmente nossa Assembleia Legislativa aprovou. Mas a nossa revolta não é porque é o Lula do PT. Qualquer investigado deveria ser proibido de receber títulos de cidadão de alguma cidade ou Estado. Somos contra por isso”, relatou.

Já o presidente eleito do diretório de Cuiabá do PT, o jornalista Volney Albano, diz que a homenagem é merecida e que Lula foi o presidente que mais investiu no Estado desde a redemocratização do país.

“A homenagem nada é mais justo. O presidente Lula foi o que mais fez para o Estado de Mato Grosso desde o fim da ditatura. Lula construiu mais de 80 mil casas pelo programa Minha Casa, Minha Vida. Ele triplicou o investimento em Educação, criando o campi da UFMT em Sinop e Barra do Garças. Dobrou o número de vagas no ensino superior e na pós-graduação. Tínhamos apenas três Institutos Federais (IFMT) e passamos a ter 13. Então os números provam que o ex-presidente Lula foi fundamental para o avanço do Estado”, disse o petista.

Sobre uma mobilização contrária à homenagem, Volney diz que independente de mobilização do MBL e do “Vem Pra Rua”, os movimentos sociais e os partidos de esquerda estarão na Assembleia homenageando o ex-presidente. “O MBL e o “Vem Pra Rua” sempre foram financiados pelo PSDB, DEM e PMDB. E como está chegando perto das eleições, eles querem agitar para beneficiar esses partidos. Mas se eles vão ou não fazer manifestações, não importa. O importante é que o PT, os partidos de esquerda e os movimentos sociais estará lá de braços abertos para receber o melhor presidente que o Brasil já teve”, concluiu.

O presidente da Assembleia, deputado Eduardo Botelho (PSB), evitou polemizar sobre o título de cidadão mato-grossense concedido ao ex-presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva. Botelho diz que nada pode fazer acerca da comenda. “O presidente não pode intervir ao menos que haja algo gritante, dando para um traficante que pode denegrir”, disse ontem, após a posse do novo presidente do TRE.

De acordo com a assessoria de imprensa do Instituto Lula, o ex-presidente ainda não tem nenhuma agenda para Cuiabá e Mato Grosso.

O ex-presidente Lula é considerado pelo Ministério Público Federal (MPF) como o principal chefe do esquema de corrupção que foi descoberto pela Operação Lava Jato. Ele é alvo de seis inquéritos e tem o apelido de “Amigo” na lista de propinas da Odebrecht.