21/03/2017 15:58

Quantidade de visualizações: 583

Tâmara Figueiredo


Autoridades responsáveis pela saúde no município de Sorriso, nas esferas municipal e estadual (PSFs, UPA e Hospital Regional) estiveram reunidas na sala do prefeito Ari Lafin para uma coletiva à imprensa na tarde dessa segunda-feira, 20/03 a respeito das investigações sobre casos de 05 natimortos num período de 11 dias, entre 03 de março e 14 de março deste ano.

Estiveram reunidos o Secretário municipal de Saúde, Devanil Barbosa, o diretor técnico da UPA, Ailton Brizante, a diretora geral do Hospital Regional, Lígia Souza Leite, o diretor técnico do Hospital Regional, doutor Roberto Yoshida e o prefeito Ari Lafin, que falaram sobre uma comissão que foi formada para investigar as circunstancias de cada óbito.

A princípio, foi estipulado o prazo para conclusão das investigações preliminares que será de 90 dias. As investigações já começaram e de início estão sendo analisados os prontuários médicos de cada caso. Segundo o secretário municipal de saúde, Devanil Barbosa estão sendo investigados os casos desde a base, do início do pré-natal da gestante, como foi o acolhimento dessa gestante e o acompanhamento até o momento da morte dos bebês. “Já buscamos junto com o Hospital Regional alinharmos uma medida de definição para buscar as informações e buscar formar as comissões para investigar os casos de natimortos. No âmbito municipal, a comissão é formada por representante da atenção básica, representante da unidade de saúde da família, um representante jurídico e um médico. Existe um protocolo, trabalhamos com uma esfera de referência: a unidade de saúde da família é a porta de entrada, necessitando referencia para a UPA, a UPA em havendo necessidade o médico avalia e dentro dessa avaliação faz o processo de regulação para encaminhamento ao hospital”.

Segundo a diretora do Hospital Regional, Lígia Souza Leite, há um número que pode ser considerado tolerável, que seria de 3 a 4 natimortos por mês, e admitiu que o número de 05 natimortos em 11 dias seria um número alto, e o que tornou ainda mais complexa a situação é o fato de todos os bebês serem todos de Sorriso. O que se investiga é se realmente esses óbitos eram inevitáveis. “O Hospital Regional já tem uma comissão de óbito e uma das finalidades dessa comissão é justamente verificar todos os óbitos dentro do Hospital Regional. Solicitei a essa comissão que fizesse um levantamento criterioso do atendimento das gestantes, uma vez que todas as cinco já chegaram com óbito fetal. Além dessa comissão foi enviado um médico da Secretaria de Estado para também averiguar o que aconteceu. Depois iremos juntar nossas informações com as informações do município. Todos os meses temos natimortos no hospital. Em dezembro foi um caso, em novembro foram 03 casos, o que chamou a atenção nesses casos é que todas as gestantes eram de Sorriso. Esse número foi considerável bem atípico. Nossa média no hospital Regional é a média 03 natimortos ao mês, não que seja aceitável, nenhum óbito é aceitável, mas trabalhamos com essa média.