17/03/2017 09:30

Quantidade de visualizações: 386

Eduardo Turella com Assessoria

A equipe do departamento de Vigilância Ambiental da Secretaria Municipal de Saúde e Saneamento de Sorriso fez, na tarde de ontem (15), uma ação de vistoria, orientação e coleta de amostra de larvas do mosquito Aedes aegypti em todos os quarteirões dos bairros Taiamã II e Pinheiros II. A ação foi motivada pela notificação de suspeita de caso de dengue, Chicungunya ou Zika Vírus pela unidade do Programa de Saúde da Família (PSF) da região. O trabalho contou com o apoio da Secretaria de Obras e Serviços Públicos, que fez a coleta dos resíduos que poderiam acumular água.

De acordo com o Levantamento de Índice Rápido ( LIRA) realizado neste mês, Sorriso está em estado de risco, com índice de larvas nas residências de 3,8% no bairro Taiamã II, e de 10,94 no Pinheiros II, quando o nível aceitável pelo Ministério da Saúde é de 1%. As larvas foram encontradas no interior das residências em locais de fácil remoção, como lixo, brinquedos, vasos de plantas, reservatórios de águas, entre outros.

Os agentes de combate a endemias passaram nas residências orientando os moradores sobre os cuidados com o quintal e aplicando o larvicida nos criadouros onde não era possível fazer a remoção. Simultaneamente, outra equipe fez o tratamento contra o mosquito Aedes aegypti nas bocas de lobos utilizando bombas costais motorizadas .

“Nós temos feito de tudo para combater o mosquito, como orientações, tratamento das bocas de lobo, e bloqueio de casos, por isso, contamos com o apoio dos moradores para que colaborem com o nosso trabalho, pois muitos criadouros do mosquito estão dentro das residências e somente eles é que podem destruir esses criadouros”, explicou Tayná Vacaro, coordenadora de Vigilância em Saúde.

Como é feito o levantamento de Índice Rápido (LIRA)

O levantamento do índice de larvas nos bairros é feito pelos agentes de combate a endemias por meio de um sorteio realizado por sistema eletrônico, que identifica os quarteirões que devem receber a vistoria dos agentes. A equipe vai até o local, recolhe material que poderá apresentar a incidência de larvas ou outra forma do mosquito Aedes aegypti e encaminha para o laboratório que fará análise de reconhecimento da larva.

Denúncias

As denúncias de possíveis focos podem ser feitas pelos telefones 0800 647 4707 ou no 3544 8115.