14/03/2017 14:32

Quantidade de visualizações: 1426

Olhar Direto


Trabalhadores da educação em Mato Grosso participam na próxima quarta-feira, 15 de março, do movimento "greve geral contra o desmonte da Previdência". O ato, que contará com uma série de mobilizações em todo o país, irá reunir os profissionais na praça Ipiranga, região central de Cuiabá, a partir das 16h. Pelo sistema atual, os professores aposentam com 25 anos de contribuição e 50 anos de idade. Mas com a nova proposta, a PEC 287, a idade mínima para a aposentadoria passa a ser de 65 anos de idade. Também participam deste movimento trabalhadores da área da saúde e sistema prisional.

“Uma reforma indecente que retira direitos dos trabalhadores, praticamente extingue a assistência social e penaliza os trabalhadores da educação duas vezes, quando prejudica em especial as mulheres, as quais são 80% da nossa categoria”, destacou o presidente do Sintep/MT, Henrique Lopes do Nascimento.

Na última sexta-feira, 10, o tema foi discutido durante audiência pública na capital. A atividade contou com a participação dos coordenadores do Fórum Sindical do Estado, Edmundo César Leite, presidente do Sindicato dos Profissionais da Área Meio do Poder Executivo de Mato Grosso (Sinpaig), Oscarlino Alves.

Para o presidente do Sinpaig, Edmundo César Leite, o debate é de grande importância não só para os servidores públicos, mas também para todos os trabalhadores.

“As pessoas tem o costume de se preocuparem com melhorias e não com o retrocesso dos seus direitos e parecem que nasceram com seus direitos. Mas no passaram muita gente teve que lutar ir para as duras para garantir esses direitos que temos hoje”, disse Antônio Wagner de Oliveira, um dos coordenadores da Central dos Sindicatos Brasileiros (CSB) em Mato Grosso.