22/02/2017 16:16

Quantidade de visualizações: 465

Tâmara Figueiredo

Uma comitiva formada por prefeitos e vereadores da região esteve na Capital do Estado nessa terça-feira, para cobrar solução para a precariedade no atendimento no Hospital Regional devido à falta de pagamento e de insumos necessários para os procedimentos. O governador Pedro Taques os recebeu e agradeceu a presença de todos e disse que irá procurar meios de fazer os repasses.

Mais de 15 milhões de reais serão liberados pelo Governo do Estado, sendo que foram repassados de imediato, 3,980 milhões de reais, para pagamentos de salários referentes ao mês de outubro, segundo informações o valor de 3,178 milhões de reais pagamento do mês de janeiro já estaria na conta. Com relação ao pagamento do mês de fevereiro não foi informada a data para quitação. Os meses de novembro e dezembro estão previstos para serem pagos na quinta-feira, 01/03 após a quarta-feira de cinzas, com a liberação de 8 milhões de reais.

“Discutimos aqui a questão do Hospital de Sorriso e o repasse para esse hospital que está atrasado, mas nós estamos procurando meios para resolver isso. O governador tem a chave do cofre, mas não tem a fabrica de dinheiro. A questão é financeira, mas nós temos que fazer opções e nós estamos fazendo aqui a opção pela saúde”.

Esses valores servirão para aliviar os ânimos dos profissionais que heroicamente trabalham sem receber seus salários, mas ainda há problemas de faltas de insumos e a necessidade de uma reforma geral na unidade hospitalar. Há uma proposta apresentada pelo deputado estadual José Domingos Fraga para utilização de recursos do FETHAB do Estado para suprir essas necessidades do Hospital Regional de Sorriso, a qual o governador Pedro Taques disse que irá estudar juntamente com os deputados. “Essa proposta será analisada com os deputados, com a Casa Civil, conversaremos com os deputados para que possamos saber maiores detalhes sobre esta proposta”.

O secretário de Estado de Saúde, João Batista explanou o que o governo irá atender sobre o Hospital Regional quanto aos pagamentos de atrasados. “Com relação ao Hospital Regional de Sorriso o governo tem se comprometido a fazer os pagamentos de forma regular, lógico que temos um problema de fluxo de caixa, um problema financeiro e com isso tivemos um atraso. O compromisso hoje assumido aqui é que nós estaremos repassando com base num recurso do estado que está bloqueado pela justiça, efetuar o pagamento de 3.178 milhões de reais. Já fizemos o pagamento com recursos próprios do Estado de 3,980 milhões de reais. Quinta-feira após o carnaval faremos os pagamentos referentes à novembro e dezembro, que totalizarão em torno de 8 milhões de reais. “Esse é nosso compromisso agora, além do comprometimento de vermos a possibilidade de fazer a reforma do hospital e também a aquisição de equipamentos para melhorar a estrutura interna e o atendimento dos pacientes.”

O presidente da Câmara de Sorriso avaliou o resultado da reunião com o governador. Ele disse que sai com um resultado positivo, apesar de não ser o que realmente queriam e que vão continuar cobrando. “Viemos aqui, com todos os vereadores, são mais de 150 pessoas que vieram para Cuiabá, e viemos cobrar do governador os repasses do Hospital Regional que desde outubro não estava recebendo. Agora ele fez uma proposta para nós. Voltamos com uma resposta positiva, não é o que nós gostaríamos, queríamos a reforma do Hospital Regional mas estamos em busca disso também e vamos continuar cobrando isso.”

Também falou em coletiva o prefeito Ari Lafin, que disse que entende as dificuldades do governo, mas afirmou que tem que enfrentar os problemas de frente. “Acredito que uma reunião como esta, uma reunião de trabalho com os prefeitos da região, com as câmaras municipais, deputados estaduais, AMM e o governador é uma agenda com certeza positiva, sabemos das dificuldades de arrecadação do Estado, mas enfrentar o problema de frente é que é o necessário. Isso traz segurança para os profissionais do Hospital Regional e para os pacientes do médio Norte, são 15 municípios, 425 mil pessoas que dependem de uma postura de liderança para o enfrentamento na busca de solução.”