05/08/2016 16:07

Quantidade de visualizações: 420

Midia News


Uma área equivalente a 1,8 mil campos de futebol foi destruída pelo fogo no Parque Nacional de Chapada dos Guimarães (67 km ao Norte de Cuiabá) nos últimos dias.

Ao todo 1,8 mil hectares – de um total de 33 mil – foram consumidos pelas chamas.

Há pelo menos duas semanas, incêndios estão consumindo a vegetação do parque e dificultando o acesso aos pontos turísticos.

De acordo com o Instituto Chico Mendes de Biodiversidade (ICMBio), que administra o parque, a situação nesta sexta-feira (5) deu uma amenizada. No entanto, brigadistas continuam no local para manter a situação em controle.

Na quarta-feira (4), por exemplo, a administração fechou para visitação à Cachoeira Véu de Noivas. O local será abrigo para as equipes que estão trabalhando no combate ao fogo.

“No entanto, é importante frisar que os demais atrativos do parque estão abertos, como a Cachoeira dos Namorados e a Cachoeirinha”, lembrou a direção.

Para ser exato, 1.830 hectares do parque foram destruídos pelo fogo e 2 mil hectares na Área de Proteção Ambiental, em Chapada dos Guimarães.

Os incêndios começaram no dia 25 de julho e, desde então, estão sendo combatidos com a ajuda dos brigadistas do ICMBio e no entorno, com o Corpo de Bombeiros do Estado.

Foi ressaltado ainda que é preciso redobrar a atenção no trajeto da rodovia MT-251. Motoristas podem encontrar grande quantidade de fumaça, prejudicando o tráfego.

Área urbana

No perímetro urbano de Cuiabá, de acordo com o tenente Janisley Teodoro, do Corpo de Bombeiros, ao menos 50 chamadas diárias estão sendo feitas, relatando ocorrências.

“É normal para a época, mas vale lembrar que ainda estamos em agosto e o período proibitivo, além da seca, costuma durar até meados de outubro”, lembrou.

Diante de tantos chamados, o Corpo de Bombeiros precisa filtrar as ocorrências, onde segundo o tenente, “é essencial para que haja a priorização dos casos mais graves”.

Teodoro lembra que é importante a população se conscientizar da proibição de atear fogo, especialmente em terrenos baldios e lixos. “Caso os números aumentem, a proibição pode ser estendida pelo Governo do Estado”.

Área indígena

A área de vegetação da reserva indígena Formoso, em Tangará da Serra (239 km a Noroeste de Cuiabá) sofre com um incêndio há pelo menos 15 dias.

Conforme as informações, 13 brigadistas da própria reserva estão no local, e aguardam a chegada de outros homens de aldeias próximas. O Corpo de Bombeiros está trabalhando na coordenação dos brigadistas.

Caso o incêndio avance, as fazendas da região também vão correr riscos. Por enquanto, não há informações sobre a queimada em hectares, mas é de grande extensão.

Na quarta-feira (4), o fogo se alastrou e chegou próximo às ocas.

Período proibitivo

Conforme o decreto, fica proibido atear fogo em áreas rurais - seja para limpeza ou manejo - de 15 de julho até o dia 15 de setembro. Isso acontece devido ao aumento dos focos de calor da região.

Dependendo da situação, multas serão aplicadas em até R$ 7,5 mil por hectare. Já na área urbana, a prática é considerada crime independente da época do ano.