23/08/2017 14:59



A família de Viviane Lauterer, que morreu em 2014 depois de complicações decorrentes de um procedimento para colocar silicone nos seios em um hospital particular de Sorriso, disse que o CRM - Conselho Regional de Medicina condenou o médico responsável pelo procedimento à censura pública.

Viviane Lauterer, irmã da vítima, concedeu entrevista ao programa "A Voz do Povo", da Rádio Sorriso-FM 99.1, com exclusividade, na manhã desta quarta-feira (23-08). Esta foi a primeira vez que a família falou publicamente sobre o caso. “Ainda não estamos satisfeitos e vamos ao Conselho Federal de Medicina para pedir a cassação do registro. Um profissional como este não pode continuar no mercado”, disse ela.

“O médico Sergio Evangelista foi condenado. Ficou reconhecida a negligência, a falta de responsabilidade, a falta de aparelhagem, a falta de respeito com o paciente, falta de ambulância no local”, contou Viviane.

Em nota, o Hospital Candido Portinari respondeu à reportagem da Rádio Sorriso. Veja:

NOTA DE ESCLARECIMENTO PARA IMPRENSA

O Hospital Cândido Portinari em respeito a imprensa, amigos e pacientes informa que referente à sessão de julgamento ocorrida na data de ontem em Cuiabá –MT, seguindo os termos do artigo 1° do Código de Processo ético-Profissional os processos tramitam em caráter sigiloso dentro dos Conselhos de Medicina. Assim, somente após o trânsito em julgado da decisão é que a pena deve ser aplicada ao profissional médico.

Os riscos existem, sendo de conhecimento do médico e paciente, mas ninguém deseja que complicações ocorram. Por isso investimos tanto em segurança ao paciente e profilaxias, seguimos rigorosamente todas as exigências vigentes na área da saúde.

O Hospital Cândido Portinari nega veemente que haja outros casos de imperícia, imprudência ou negligencia julgados ou em julgamento.

Sorriso, 23 de agosto de 2017.

A direção